Araguari

by Jair Naves

supported by
/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.
    Purchasable with gift card

      name your price

     

1.
As lembranças que eu guardo de Araguari resumem-se ao dia em que eu fugi caçado de perto por uma multidão decidida a fazer justiça com as próprias mãos Ecoavam sermões pelas ruas dormentes ninguém larga tudo impunemente o abandono é a pior traição no fim das contas, hoje eu te dou razão Em minha defesa, eu apelo ao óbvio: eu era novo e sem temor, eu tinha o mundo ao meu dispor Só que a vida passou e eu caí em nostalgia mesmo de coisas que eu mal vivi, o que dizer da inocência que eu deixei em Araguari? Araguari, o que foi que aconteceu? Fui eu que te perdi ou você que me perdeu? Foge à minha compreensão, mas eu te dou razão Fato é que eu não sou mais quem eu era antes eu voltei envelhecido e hesitante Hoje eu que cuido dos meus pais e as crianças da nossa rua já não somos nós Mas eu sinto saudade da nossa banda de cada palco em que eu pisei, de cada nota que eu cantei E ainda me dá um nó na garganta pensar nos sonhos que eu sonhei, na leveza dos amores que eu desperdicei As brigas que eu comprei, Meus amores inconfessos, Os sonhos que eu sonhei...
2.
Silenciosa 05:18
Passou, passou Um dia eu me conformo e paro de me culpar Passou, acabou Sabe quando você sente que não vale mais a pena lutar? Se não deu certo com a gente, acho que nunca vai dar Passou, passou Um dia eu me acostumo e paro de te importunar Passou, acabou Sabe quando você sente que não vale mais a pena lutar? Se não deu certo com a gente, acho que nunca vai dar Prometo que eu não demoro quando eu estiver pronto, eu te aviso Se bem que eu não me incomodo pode ir agora que eu já não ligo Só vê se não esqueceu nada e vê se não volta mais Enquanto eu não me recobro, enquanto eu não estiver bem, em paz A cama ficou espaçosa nosso quarto ficou mais frio A casa, silenciosa, não me serve mais como abrigo E foi consensual nós nem sequer discutimos Tudo tão civilizado nem parecia comigo Nossos amigos ainda questionam o que foi dessa vez qual a gota d'água, como eu consegui afastar você de mim Deve haver em tudo isso alguma lição algo a ser aprendido, uma compensação para o quanto nós nos ferimos Passou, passou Um dia eu me conformo e paro de te culpar Passou, acabou Sabe quando você sente que não vale mais a pena lutar? Se não deu certo com a gente, acho que nunca vai dar
3.
No cômodo abafado, de branquidão hospitalar via-se um mar de rostos borrados tentando te acordar Você zombava desse empenho, da proteção que eu ofereci um demônio enfermo de quem eu não consigo me despedir Delirante, queimando em febre, você buscou a minha mão A esse poder que você exerce eu nunca soube dizer não Ela reagiu como se possuída por um espírito ruim Dizendo "prepare-se pra uma guerra, eu não respondo mais por mim" E eu, tão impressionável, me apaixonei Eu me apaixonei, eu me apaixonei O que eu mim você reconhece, eu reconheço em você (não estou só) O gosto da sua pele, as fraquezas que eu tento esconder (não estou só) Quando eu menos esperava, a vida não falhou em me surpreender (não estou só) Nada mais me entristece agora que eu encontrei você (não estou só) Quando eu menos esperava, a vida não falhou em me surpreender (não estou só) Nada mais me entristece agora que eu encontrei você (não estou só)
4.
Como eu me defendo desse sentimento de inadequação Que me destrói por dentro, pro qual eu não vejo explicação? Bandeira a meio mastro, um afago áspero, a voz do cantor Eu criei um certo faro para esse tipo de enganador (Graças a você) Ladeira abaixo, assim foi dito uma obra-prima de eufemismo para as dores da inaptidão, para o sufocante calor da afobação Ninguém imagina o que eu enfrentei o quanto doeu, o quanto eu rezei minha reza de ateu num desespero que eu nunca me atrevo a demonstrar Bêbada e vingativa, o amor como eu o conhecia de peito estufado, cheia de si cantando em copos por aí na madrugada eterna e ardente que te deixou toda em carne-viva Uma adoração inconcebível (em mim você devia confiar) todo o amor que me é possível (eu vejo tanto de mim mesma em você) recolhido, quieto, ensimesmado meu refém conformado e imperturbável na madrugada eterna e ardente que me deixou todo em carne-viva Agora, convenhamos: eu nunca me expus tanto, você nem pra impedir Com todo esse alvoroço, eu só engoli meu almoço, não senti gosto algum A torneira que eu esqueci aberta não tardou a inundar todo o prédio mas eu sobrevivi, eu sobrevivi O tempo que a gente passou aqui morando de favor nos tornou parte da mobília sem valor na percepção pobre e turva daquele que nos abrigou E foi nesse corredor que eu vi o fantasma de um senhor e de um labrador magro, manco e ameaçador Eu é que não vou me meter com esses dois Nem queira saber o que eu ambiciono, o que me mantém vivo, porque eu não cedo ao sono Eu te aconselho: nem queira saber Assim que os meus dias de vândalo terminarem, eu sei que me levarão pro céu E farão com que eu narre os meus escândalos sem que eu me gabe, com o constrangimento abatido de um réu Talvez fosse preferível que eu nunca tivesse saído de onde eu nasci, de Araguari

credits

released January 2, 2010

license

all rights reserved

tags

about

Jair Naves Los Angeles, California

Singer-songwriter
Los Angeles/São Paulo.

contact / help

Contact Jair Naves

Streaming and
Download help

Redeem code

Report this album or account